Tratamentos > Tratamento psicológico

Lúcia Barbosa
Psicóloga

 

1) A gagueira é psicológica?
Não. Embora ainda se encontre disseminada a noção de senso comum de que a gagueira seja um distúrbio psicológico, tal concepção é inadequada. Cientificamente a gagueira é um distúrbio da fluência da fala, cujos sintomas geralmente surgem entre a primeira infância e o início da adolescência e deve ser tratada pelo fonoaudiólogo.

O psicólogo não possui formação para tratar de distúrbios da fala ou da fluência. O profissional capacitado para tal tratamento é o fonoaudiólogo. Vale ressaltar que nem todo fonoaudiólogo sabe tratar a gagueira. Quando procurar por tratamento fonoaudiológico, certifique-se de que o profissional possua especialização ou conhecimentos aprofundados na área da fluência da fala.

Quem gagueja não apresenta, necessariamente, qualquer problema psicológico e nem terá que se submeter obrigatoriamente a uma psicoterapia.

No entanto, há um tipo específico e extremamente raro de gagueira cuja causa é psicológica: a gagueira psicogênica. Este distúrbio não deve ser confundido com a gagueira que aparece e pode se cronificar durante a infância e a adolescência. Ela surge em adultos que, após um trauma psicológico, começam a gaguejar, embora nunca em sua vida tenham manifestado a gagueira. São indivíduos que, até antes do trauma sofrido, jamais gaguejaram.

No caso específico da gagueira psicogênica, a terapia psicológica é eficiente e necessária, contribuindo para o desaparecimento total dos sintomas e para a remissão do problema, porque se trata de um distúrbio cuja causa é psicológica.

A gagueira psicogênica (como o próprio nome deixa explícito) não é um distúrbio da fluência da fala, mas um distúrbio psicológico. Por isso, ela não deve ser tratada por fonoaudiólogo, mas por psicólogo.

2) Quando se deve cogitar a necessidade de tratamento psicológico para a gagueira?

  • Quando se estiver diante de um quadro de gagueira psicogênica, ou seja, quando a gagueira se manifestou após um trauma psicológico em indivíduo adulto.
  • Quando se estiver diante de um quadro de gagueira hereditária ou lesional, só se a gagueira estiver afetando negativamente a vida da pessoa em outras áreas, além da fala. Se o indivíduo experiencia dificuldades sociais em razão de sua dificuldade de se expressar por meio da fala, talvez seja aconselhável procurar por uma ajuda psicológica. Muitas vezes, o aconselhamento psicológico pode fornecer o suporte necessário para que o indivíduo que gagueja lide com a aceitação de seu próprio problema.

    Em alguns casos, a pessoa que gagueja pode iludir-se de que um dia ficará totalmente curada. A psicoterapia pode ajudar esta pessoa a aceitar e lidar melhor com algumas limitações em sua comunicação verbal, decorrentes da gagueira já cronificada.

Porém, vale lembrar que não há distinção com relação à indicação da psicoterapia para quem gagueja ou para quem não gagueja. Recomenda-se a psicoterapia para qualquer pessoa, independentemente de gaguejar ou não gaguejar, quando, simplificadamente, se deseja se conhecer melhor ou ainda quando se busca enfrentar ou resolver algum conflito na relação consigo mesmo ou com os outros.

Jamais se deve procurar a psicoterapia para o tratamento dos sintomas de fala.

3) Como é o tratamento psicológico para a gagueira?
Não existe qualquer tratamento psicológico específico para a gagueira, uma vez que a gagueira é um distúrbio fonoaudiológico e deve ser tratada por fonoaudiólogo. O psicólogo está preparado para tratar a pessoa que gagueja, quando este for o caso.

4) O tratamento psicológico melhora a auto-estima e diminui a insegurança e a timidez para falar?
Sim, dependendo do comprometimento da pessoa com o seu próprio processo psicoterapêutico. Como em qualquer psicoterapia, o sucesso do tratamento depende do indivíduo. Se a pessoa realmente deseja resolver suas dificuldades pessoais, ela terá na psicoterapia um recurso fundamental.

É conveniente ressaltar que problemas com auto-estima, insegurança e timidez para falar não são característicos da gagueira e ocorrem em qualquer pessoa, independentemente de ela gaguejar ou não.

5) O tratamento psicológico melhora a gagueira?
Só nos casos de gagueira psicogênica. Para os casos de gagueira hereditária ou lesional, o tratamento psicológico melhora as dificuldades que a pessoa porventura enfrente, em decorrência de sua gagueira. Nem todo o indivíduo que gagueja enfrenta dificuldades decorrentes da gagueira ou precisa de tratamento psicológico.

6) Algumas pessoas com gagueira crônica referem que não podem fazer faculdade, arrumar emprego ou namorar devido à gagueira. Por que essas pessoas precisam se esconder atrás da gagueira?
Não existe nenhuma relação ou justificativa entre apresentar gagueira e não fazer faculdade, não arrumar emprego ou não namorar. Quem justifica tais fatos em função da gagueira está fugindo da responsabilidade de assumir o rumo de sua vida. É mais fácil colocar toda a culpa de seus problemas na gagueira do que assumir a sua falta de maturidade no enfrentamento da própria vida.

A gagueira não impede ninguém de estudar, porque não implica em qualquer deficiência ou limitação intelectual. A gagueira não impede ninguém de trabalhar, ter um emprego e ser bem sucedido em sua profissão, porque se fosse assim, não haveria pessoas que não gaguejam desempregadas. O desemprego é uma questão social muito mais ampla. A gagueira não impede ninguém de estabelecer vínculos com outras pessoas e de namorar, porque a gagueira não incapacita o indivíduo para expressar suas emoções e afetos. O indivíduo que gagueja deve enfrentar a sua dificuldade de fala, enfrentar a realidade, e não se furtar à vida em função de seu distúrbio de fala. Nada explica uma atitude tão passiva diante da vida.

O indivíduo não é a gagueira. A gagueira é apenas UM aspecto de sua vida. Portanto, a sua vida não pode e nem deve gravitar em torno da gagueira. O problema da pessoa que age dessa forma não está na gagueira, mas no enfrentamento da vida, na maturidade para aceitar os limites e frustrações que a realidade impõe a todos, independentemente de se gaguejar ou não.

7) Como escolher um psicólogo capacitado para tratar a pessoa que gagueja?
Conforme dito anteriormene, não existe psicólogo capacitado para realizar tratamento da gagueira. Por mais que o psicólogo possua informações a respeito da gagueira, ela é um distúrbio da fluência da fala e nenhum psicólogo possui formação suficiente para se aventurar no tratamento de tal distúrbio. Quem trata da gagueira é o fonoaudiólogo.

O psicólogo pode tratar dos problemas pessoais e sociais que decorram da gagueira, possibilitando uma melhor qualidade de vida ao indivíduo que gagueja, mas jamais deverá tratar do distúrbio em si.

8) Como o tratamento psicológico é agendado?
Caso a pessoa que gagueja decida iniciar uma psicoterapia, ela deve marcar por telefone ou e-mail uma entrevista inicial com o psicólogo, certificando-se de que o profissional possua sólida formação e esteja atualizado em seu campo de trabalho. É adequado que ele possua formação pós-graduada (seja especialização ou mestrado). Convém sempre buscar alguma indicação.

9) Qual é o tempo médio de um tratamento psicológico?
Se a pessoa que gagueja buscar a psicoterapia para lidar com quaisquer questões pessoais, a duração do tratamento dependerá do comprometimento dela para com o seu processo psicoterápico, como em qualquer psicoterapia com quem não gagueja. Não há um tempo médio que possa ser estipulado. Cada caso é um caso.

10) Se eu fizer um tratamento psicológico, nunca mais precisarei de tratamento?
Não necessariamente. A psicoterapia serve de tratamento auxiliar e não se pode dispensar o tratamento fonoaudiológico, que é essencial.

   
Voltar

"Instituto Brasileiro de Fluência - IBF" 
Rua Urussuí, 71, 11º andar, cj. 112, Itaim Bibi, São Paulo, SP, 04542-050.
Tratamento psicológico - Tratamentos - Instituto Brasileiro de Fluência - IBF. Gagueira levada a sério