Diagnóstico diferencial > Diagnóstico diferencial

Sandra Merlo
Fonoaudióloga
Instituto Brasileiro de Fluência - IBF

 

O diagnóstico diferencial é o processo para distinguir dois distúrbios de aparência semelhante. É necessário analisar detalhadamente a origem, a caracterização e o desenvolvimento dos sinais e sintomas para se chegar à conclusão de que pertencem a um determinado distúrbio e não a outro. Em diversos casos, é necessário fazer o diagnóstico diferencial entre a gagueira e outros distúrbios de fala. Os distúrbios que mais frequentemente podem se confundir com a gagueira são:

  • Fala rápida

    Fala rápida ou falar rápido são expressões leigas para os distúrbios taquilalia e taquifemia. Esses distúrbios podem se confundir com a gagueira na medida em que o aumento da taxa de elocução (velocidade de fala) geralmente aumenta o número de hesitações/disfluências na fala, ocasionando a falsa impressão de gagueira. Para saber mais sobre taquilalia e taquifemia, clique aqui.

  • Disfonia espasmódica

    A disfonia espasmódica é um distúrbio de voz em que ocorrem contrações involuntárias nos músculos da laringe. Na disfonia espasmódica adutora e na disfonia espasmódica mista ocorrem interrupções na voz que podem ser confudidas com os bloqueios que ocorrem na gagueira. Além disso, a fala como um todo apresenta esforço. Para saber mais sobre disfonia espasmódica, clique aqui.

    O cartunista Scott Adams, criador do personagem Dilbert, apresenta disfonia espasmódica. Em um relato pessoal, Scott Adams refere que seu problema está mais localizado na fala espontânea habitual, conseguindo cantar e falar sozinho normalmente (como ocorre em muitos casos de gagueira). Para ler a tradução de seu relato pessoal, clique aqui.

  • Tiques

    Tiques são movimentos rápidos, abruptos, repetitivos e sem propósito, que ocorrem em virtude de uma disfunção nos núcleos da base. Os tiques são involuntários e o indivíduo com tiques não consegue ter controle sobre eles. Os tiques costumam ser precedidos por sensações premonitórias (sinais físicos ou mentais que avisam que algum tique está prestes a acontecer). Após o tique, o sujeito pode experimentar uma sensação de alívio. De forma geral, os tiques são classificados em dois grandes grupos:

    • Tiques motores: piscar os olhos, fazer caretas faciais, retorcer o nariz e a boca, levantar os ombros, sacudir a cabeça, protruir a língua, tocar o rosto ou outra parte do corpo, morder os lábios ou outra parte do corpo, bater os pés, etc.

    • Tiques vocais: pigarrear, estalar a língua, proferir sílabas ou palavras inapropriadas ao contexto de fala, mudar bruscamente o volume da fala, repetir a mesma palavra várias vezes (palilalia), repetir palavras que outras pessoas disseram (ecolalia), falar palavras obscenas (coprolalia).

    Alguns tiques podem ser confundidos com gagueira. Em relação aos tiques motores, o engano mais comum é achar que o movimento está sendo feito para soltar a gagueira. Em relação aos tiques vocais, o engano mais comum é não diferenciar o tique vocal da própria gagueira. A co-ocorrência de gagueira e tiques é frequente, não devendo, portanto, ser subestimada.

  • Mioclonia

    A mioclonia é caracterizada pela ocorrência de movimentos involuntários, de início abrupto e de curta duração. No caso abaixo, os movimentos mioclônicos ocorrem na face e no pescoço. A queixa primária do sujeito era gagueira. Entretanto, o diagnóstico diferencial demonstrou que as rupturas na fluência eram causadas pelos movimentos mioclônicos. Os dados da anamnese também foram importantes para o diagnóstico diferencial, tendo em vista que as dificuldades de fala iniciaram aos 21 anos após um quadro de encefalite viral.


   
Voltar

"Instituto Brasileiro de Fluência - IBF" 
Rua Urussuí, 71, 11º andar, cj. 112, Itaim Bibi, São Paulo, SP, 04542-050.
Diagnóstico diferencial - Diagnóstico diferencial - Instituto Brasileiro de Fluência - IBF. Gagueira levada a sério