DIAG 2014 > Gagueira e mercado de trabalho

width=600

Para o DIAG 2014, sugerimos os seguintes textos, escritos pela nossa diretora científica:


  1. O profissional que diz explicitamente em seu currículo que apresenta gagueira tem menores chances de ser chamado para entrevistas? Veja aqui uma situação real de um profissional da área de informática.

     
  2. O grau de gagueira de um candidato se modifica caso a entrevista de emprego seja estressante? Veja aqui algumas considerações sobre um estudo (Brundage et al., 2006) que analisou esta questão.

     
  3. Qual o impacto da gagueira no grau de escolaridade, na remuneração e na chance de desemprego? Veja aqui algumas considerações sobre dois estudos (Klein & Hood, 2004; McAllister et al., 2012) que analisaram questões como estas.

     
  4. A gagueira deve ser considerada deficiência no mercado de trabalho? Veja aqui algumas considerações sobre este tema.

     

Referências bibliográficas


Brundage, S. B. et al. (2006). Frequency of stuttering during challenging and supportive virtual reality job interviews. Journal of Fluency Disorders, 31(4), 325-339.


Klein, J. F. & Hood, S. B. (2004). The impact of stuttering on employment opportunities and job performance. Journal of Fluency Disorders, 29(4), 255-273.


McAllister, J.; Collier, J. & Shepstone, L. (2012). The impact of adolescent stuttering on educational and employment outcomes: Evidence from a birth cohort study. Journal of Fluency Disorders, 37(2), 106-121.

   
Voltar

"Instituto Brasileiro de Fluência - IBF" 
Rua Urussuí, 71, 11º andar, cj. 112, Itaim Bibi, São Paulo, SP, 04542-050.
Gagueira e mercado de trabalho - DIAG 2014 - Instituto Brasileiro de Fluência - IBF. Gagueira levada a sério