Releases > Os jovens e a gagueira

Os jovens e a gagueira

width=314

 

Waldelânia Pereira Marques, Adriana do Carmo Moreira, Fábio Yassuhiro Miyaoka e Gustavo Navarro fazem um depoimento sobre suas gagueiras.

 

Ser jovem é maravilhoso, não importa se de espírito ou de aparência, a juventude é sempre encantadora. Porém ser gago não é bacana, e vamos além: ser gago é ter uma fala que pode oscilar a cada palavra, é viver na irregularidade da comunicação.

Na vida passamos por diferentes fases de aprendizado e na gagueira também é assim: perceber que a fala é diferente, realizar esforços para falar “corretamente” e muitas vezes sentir angústia por não conseguir, passar pela fase de negação da gagueira, viver a tristeza de perceber na feição do ouvinte o riso disfarçado e a impaciência, conviver com a dúvida por não entender porque a palavra que está pronta não “sai”. Podemos falar fluentemente ou gaguejar nas diversas situações: parece estranho, mas é verdade.

A gagueira se manifesta em dependência de nossa individualidade: para alguns ela se mostra leve, branda e com poucas interferências, mas para outros, surge de forma intensa e invasiva.

Mas com o passar do tempo, aprendemos a lidar com ela, deixamos de fazer “truques”, não mais  nos escondemos, conseguimos esclarecer a dúvida da matéria com o professor na sala de aula e na presença de todos, passamos a falar ao telefone, a falar em público, enfim estamos crescendo, amadurecendo e pouco a pouco descobrindo que podemos, sim, nos comunicar com clareza e segurança.

A gagueira é somente mais um obstáculo em nosso caminho. Não devemos atribuir à gagueira a importância que na realidade ela não tem, pois das mais variadas formas todos nós conseguimos atingir o objetivo final que é a comunicação.

   
Voltar

"Instituto Brasileiro de Fluência - IBF" 
Rua Urussuí, 71, 11º andar, cj. 112, Itaim Bibi, São Paulo, SP, 04542-050.
Os jovens e a gagueira - Releases - Instituto Brasileiro de Fluência - IBF. Gagueira levada a sério