Releases > Através do filme “O Discurso do Rei”, pudemos falar ao mundo

Profa. Dra. Ana Flávia L. M. Gerhardt
Secretaria Educacional – IBF www.gagueira.org.br
Diretamente de Portsmouth, UK.
Janeiro / 2011

 

O_Discurso_do_ReiPara os que amam o cinema, trata-se de mais um filme sobre como as grandes almas são forjadas no enfrentamento dos desafios. Na verdade, um filme de qualidade acima da média, com roteiro, direção e atores refinados.  Para os ingleses em especial, trata-se da gloriosa e muito bem contada história de uma fase importante da vida de seu querido Rei, que os guiou, em parceria luxuosa com Winston Churchill, na resistência a Adolf Hitler e seu plano de conquistar a Europa.

Mas, para os que gaguejam, e os que com eles se engajam na tarefa de construir e trazer conhecimento sobre a gagueira para todos quantos precisam e querem conhecê-la, trata-se do maior acontecimento midiático de todos os tempos. Através d ‘O discurso do Rei’, pudemos falar ao mundo. E o Rei falou por nós.

Isso posto logo de partida, é preciso considerar o que o filme traz como ganho ao trabalho dos que atuam pela popularização do conhecimento sobre a gagueira, e pela diminuição do preconceito contra os que gaguejam, causado em grande parte pelo desconhecimento do que a gagueira é de fato.  E talvez, nesse sentido, a maior contribuição do filme esteja em mostrar esse preconceito em sua total e asquerosa feiúra – preconceito que, assim como a gagueira, não escolhe classe social.

Quanto ao que diz respeito às formas de tratamento para a gagueira, o filme não oferece contribuições diretas, mas é preciso dizer que nem se esperava isso, já que a história se passa na década de trinta do século passado; evidentemente, àquela época nada se sabia sobre gagueira como fenômeno neurológico, havendo apenas especulações sobre o que a causaria. Estão presentes exercícios respiratórios e rítmicos, assim como ocorre em tratamentos atuais. Contudo, muitos procedimentos equivocados e maléficos, como por exemplo, fumar para relaxar as pregas vocais (ação que na vida real provavelmente acabou por causar no Rei um câncer pulmonar, entre outros males), estão presentes, mas felizmente a maneira jocosa como são tratados não dá a entender que poderiam melhorar de fato a sua qualidade de fala. Além disso, muito embora uma das sequências iniciais já revele intuições sobre fenômenos cerebrais que hoje são base para tratamentos efetivos, a ideia não é levada adiante.

Também não é levada adiante a crença de que o Rei poderia curar-se. Apesar de a palavra “cura” apresentar-se no início da história, é possível perceber que, em seu desenrolar, as ações “terapêuticas” acabam por voltar-se predominantemente à melhoria do seu estado psicológico em eventos de fala, para que ele pudesse cumprir com seus importantes compromissos públicos. Não tem, portanto, relação com a questão da gagueira em si, como fenômeno de linguagem.

Os procedimentos propostos baseiam-se em percepções que, hoje, quando não são descartadas, relacionam-se apenas perifericamente com o problema: relaxamentos, conversas, algum conhecimento sobre relações familiares e lembranças da infância. No mais, o que se vê não é propriamente um tratamento, no sentido que compreendemos atualmente, mas uma relação de amizade e confiança entre dois homens de honra, baseada, entre outras virtudes, no total respeito pela condição de um deles como pessoa que gagueja, para muito além da necessária deferência a um membro da família real, posteriormente Rei e Imperador. E é aí que começa o grande ganho das pessoas que gaguejam e todos os que, profissionalmente ou não, comprometem-se com a nossa causa – a compreensão do sofrimento que a gagueira pode provocar na vida de uma pessoa.

No cinema, o que normalmente se vê, salvo casos raros de filmes alternativos que não alcançam o grande circuito, é a pessoa que gagueja ser tratada como alguém sem importância, com pouca inteligência, ou sem atrativos. Neste caso isso não aconteceu. Alguém pode afirmar que não se poderia tratar o Rei da Inglaterra como um tolo qualquer. Mas o que fez com que ele merecesse o filme foi justamente sua história de pessoa que gagueja e ser humano diferenciado, diante da contingência de liderar milhões de pessoas no curso de uma guerra dolorosa, e não poder fazê-lo de outra forma senão através do seu discurso – discurso aqui tomado num sentido geral, de produção linguística, mas também num sentido particular: a sua mensagem histórica ao povo britânico declarando guerra à Alemanha.

Porém nosso ganho não se limita a esse tratamento respeitoso. O filme em si, como realização técnica, nos ajuda bastante. Os planos fechados e os closes salientam as expressões das pessoas diante das dificuldades e dos sucessos do Rei na busca por uma fala fluente – constrangimento, vergonha, alívio. Revelam a angústia que tomava a todos enquanto o Rei sofria para falar, seja para o povo, seja para as suas filhas. A revelação desses rostos torna cruel o pensamento, exteriorizado por alguns personagens, de que a gagueira de George VI seria sinal de covardia, de incapacidade. Em alguns momentos, covardes e incapazes foram os outros, quando a História lhes reclamou seu lugar, e eles dele declinaram.

O mesmo plano fechado mostra em plenitude e fidedignidade o que se passa na mente e no corpo de uma pessoa que gagueja, quando ela precisa, justamente, não gaguejar. Quem gagueja deve entrar no cinema preparado para poderosas emoções, porque Colin Firth consegue traduzir no rosto o que se passa conosco. De fato, em entrevista, o ator demonstra reconhecer plenamente o fardo que carregamos, ao afirmar que, assim como nós, necessitou viver o sacrifício que é, para quem gagueja, a tentativa de não gaguejar. Nós que gaguejamos sabemos o que essa revelação nos provoca, mas agora ela vai provocar a todos, porque é muito difícil alguém sair do filme ainda acreditando que quem gagueja o faz sem sofrer, ou o faz porque quer, ou porque lhe falta coragem. E quanto a isso temos muito que agradecer a esse ator inglês que iniciou sua carreira no cinema interpretando homens poderosos e decididos, que ao longo do tempo foram se tornando complexos, interessantes, com sua força sendo revelada através das enormes dificuldades por que passam. Assim é o Rei George VI que Colin Firth nos oferece.

Mas não se pode concluir esta resenha sem citar as personagens importantes que estiveram junto ao Rei e que o ajudaram a encontrar caminhos por entre o turbilhão em que sua vida se transformou depois que, para seu desespero, seu irmão mais velho abdicou do trono em seu favor. Sua esposa e seu amigo Lionel Logue representam, com sua confiança e respeito, todos aqueles que também estão junto de nós, nos auxiliando nas formas possíveis, profissionais ou não, para conferir mais qualidade à nossa vida. Lionel Logue, o terapeuta, se vivesse hoje, seria um grande pesquisador em gagueira, certamente na vanguarda dos desdobramentos da percepção neurológica do fenômeno. Ele não está mais entre nós, mas felizmente podemos contar com vários outros, que, assim como ele, também são desacreditados pelos conservadores, mas depois são consagrados pelo tempo, que é o senhor das verdades.

E Elizabeth, a Rainha Mãe, personifica os que nos amam e lutam junto conosco, quando falar se torna um sofrimento miserável, mas que também comemoram conosco cada pequena vitória, cada frase pronunciada, com gagueira ou não, mas com perseverança e dignidade. Devemos as nossas conquistas a nós mesmos, é verdade, mas também aos que estão do nosso lado e nos ajudam a não recuar, quando essa parece ser a única alternativa humanamente possível.

O Discurso do Rei é uma homenagem a quem busca, através da vivência e do conhecimento sobre a gagueira, construir um mundo melhor para os que aqui já estão, e para os que virão. Que venham os prêmios, todos merecidos. O Rei também os merece.

 

Trailer legendado do filme

Poster

 

Página relacionada:
Filme oferece ao público uma representação madura e realista da gagueira

   
Voltar

"Instituto Brasileiro de Fluência - IBF" 
Rua Urussuí, 71, 11º andar, cj. 112, Itaim Bibi, São Paulo, SP, 04542-050.
Através do filme “O Discurso do Rei”, pudemos falar ao mundo - Releases - Instituto Brasileiro de Fluência - IBF. Gagueira levada a sério